Teoria da Relatividade no Ensino Médio


Desafios relativos ao novo currículo mínimo estadual de Física

Tempo e espaço são relativos e estão profundamente entrelaçados. Sem cair no reducionismo, este é o cerne da Teoria da Relatividade cujo entendimento é bastante complexo, em especial para estudantes do Ensino Médio, quando o conteúdo programático dá início à introdução da Física Moderna e Contemporânea. Vale lembrar que este conteúdo só passou a fazer parte do currículo mínimo estadual da disciplina, a partir de 2011. Agora, imagine em 1905 quando de sua formulação pelo genial físico alemão Albert Einstein! A abordagem deste tema no novo currículo mínimo estadual é um desafio abraçado por Adriana Oliveira Bernardes, professora no Colégio Estadual Dr. Tuffy El-Jaick, no município de Nova Friburgo, e coordenadora do projeto que discute os desafios de se trabalhar com temas como esta teoria da Física.

 De acordo com ela, a introdução da Física Moderna e Contemporânea no Ensino Médio pode motivar o aprendizado do aluno, devido a sua contextualização com o mundo cotidiano, e também aproximar a ciência da sociedade em que vivemos, já que nos beneficiamos do uso de aparelhos como GPS, TV de plasma, entre outros aparelhos tecnológicos, que fazem parte do nosso dia a dia. “A explicação para o funcionamento desses equipamentos faz parte do que chamamos hoje de Física Moderna”, disse a professora, que contou com a

interação entre alunos, incluídos os de graduação na disciplina, e bolsistas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), do Centro Federal de Educação Tecnológica de Nova Friburgo.

O trabalho desenvolvido pela professora é uma experiência na qual a Teoria da Relatividade foi introduzida no Ensino Médio com um enfoque histórico-filosófico, o que incluiu a apresentação de palestras, mesas-redondas e a elaboração de um blog para a discussão do assunto. O currículo mínimo estadual de Física do Estado do Rio de Janeiro prevê para o 3º bimestre do 1º ano do Ensino Médio o curso sobre a famosa teoria desenvolvida por Einstein. “Trata-se de um currículo que valoriza o enfoque histórico-filosófico, de forma que elaboramos um projeto para discussão da Relatividade desde as primeiras ideias que surgiram com Henri Poincaré até a questão polêmica gerada por experimentos realizados no LHC (grande acelerador de partículas) a respeito das velocidades atingidas pelos neutrinos”, enfatizou Adriana Bernardes.

O projeto foi iniciado com uma pesquisa sobre o tema em jornais, revistas e Internet. Enquanto o curso era ministrado pelo professor da disciplina, foram realizadas algumas palestras sobre o tema para desmistificar o grau de dificuldade e tornar a discussão mais acessível à comunidade escolar. Como avaliação desta primeira etapa do trabalho, foi feita uma sondagem dos conhecimentos auferidos pelos alunos. Para Adriana, esta foi uma forma de contribuir para uma Física mais inclusiva na escola, o que normalmente não ocorre.

A fase seguinte se deu com a interação dos alunos através do blog http://relatividadecetej.blogspot.com.br, onde eles postavam suas dúvidas para serem respondidas posteriormente. Paralelamente foram elaborados e publicados textos de divulgação da teoria, resguardando o enfoque histórico-filosófico.

A culminância do projeto ocorreu com uma mesa-redonda na qual foram discutidos os seguintes temas: “A vida de Albert Einstein”, “As ideias de Poincaré sobre a relatividade”, “A Teoria da Relatividade de Albert Einstein” e “O LHC e a questão dos neutrinos”.

Para Jehny Caldas e Iury Henderson, alunos de iniciação à pesquisa do Ensino Médio da escola, a experiência foi muito boa, pois possibilitou a abertura de novos caminhos e conhecimentos. A curiosidade deles foi aguçada ao levantarem dados sobre a vida Einstein. Eles ficaram impressionados com o interesse por ele demonstrado desde tenra idade. Como se trata de algo muito complexo, os estudantes tiveram que efetivamente dominar o tema a ponto de desenvolver estratégias comparativas tiradas do cotidiano para esclarecer as dúvidas dos colegas: “Procuramos maneiras mais fáceis para explicar, para que eles pudessem entender também! E uma das campeãs de dúvidas dos alunos sobre relatividade foi, sem dúvida alguma, sobre a possibilidade de viajar no tempo. É realmente possível?”.

Outro ponto alto do projeto se deu com sua apresentação na Semana de Extensão do Cefet Nova Friburgo. Para Jehny e Iury a experiência foi fantástica, por estarem tratando com pessoas que não são leigas em Física: “Pudemos utilizar termos mais complicados que ajudavam no entendimento de nosso trabalho. Lá, as dúvidas foram menos frequentes, mas, em compensação, a compreensão foi maior! E foi uma honra apresentar um trabalho numa instituição de ensino tão boa e respeitada como o Cefet; espero que tenhamos mais oportunidades de mostrá-lo não só lá como em outras instituições, como por exemplo Uerj e UFRJ!”, enfatizaram.

Esta ação de interação entre os alunos do Ensino Médio e os de graduação do Cefet e a participação na feira de ciências aconteceu devido à parceria entre as duas instituições, através do projeto Pibid. Henrique Gravino, aluno de graduação de Física, também expressou seu contentamento: “Falar da Teoria da Relatividade para os alunos do Colégio Estadual Dr. Tuffy El-Jaick e na mostra de extensão do Cefet foi excelente. É muito importante para um universitário o contato com outros estudantes e a possibilidade de falar para os próprios colegas na faculdade. É sempre bom pegar esses temas para apresentar, porque a gente aprende muito mais pesquisando, já que acaba se deparando com detalhes e dúvidas que não aparecem durante uma aula”, ressalvou Henrique, animado com a experiência.

Ele afirmou que não havia este tipo de tema durante o período em que cursou o Ensino Médio. “Minhas aulas de Física foram bem básicas. Na faculdade eu já tinha visto em uma disciplina eletiva e agora estou tendo de novo em Física Moderna 1. Acho que já deveria fazer parte do Ensino Médio há muito tempo, assim como os tópicos mais recentes da disciplina também deveriam ser abordados, nem que fosse em eventos como feiras de ciências”, sinalizou o graduando.


Por: Cláudia Sanches
Colégio Estadual Dr. Tuffy El-Jaick
Rua São Pedro, s/nº – Duas Pedras – Nova Friburgo/RJ
CEP: 28630-140
Tel.: (22) 9274-2143
E-mail: infojaick@yahoo.com.br
Coordenadora do Projeto: Professora Adriana Bernardes (adrianaobernardes@uol.com.br)
Fotos cedidas pela escola

Deixar comentário

Seu email não será publicado