Sujeito e Predicado: conhecê-los é essencial!


Atendendo a pedidos, vamos abordar a partir de agora um pouco de Função Sintática, esse “bicho-papão” para muitos estudiosos da Língua Portuguesa, que pode ser conceituada como o estudo das diversas funções desempenhadas pelas palavras nas orações. Vamos iniciar pelos chamados Termos Essenciais da Oração, que são aqueles que servem de estrutura básica às sentenças em nosso idioma.

O Sujeito

É o termo sobre o qual os outros termos presentes numa oração dizem alguma coisa. Pode ser Determinado, Indeterminado ou mesmo não existir numa sentença. Vejamos.

O sujeito Determinado pode ser reconhecido através da concordância verbal. Pode ser.

– Simples (apresenta apenas um núcleo): As crianças corriam pelo pátio.

– Composto (dois ou mais núcleos): Cara e coroa são as faces de uma moeda.

– Implícito (não aparece, mas é identificável): Entregamos (nós) nossas armas.

O sujeito Indeterminado é aquele que existe mas não pode ser identificado através do contexto. Veja como pode ocorrer.

– Com verbo na 3ª pessoa do singular: Pediram sua presença lá. (quem pediu?)

– Com verbo ativo na 3ª do singular, nesse caso acompanhado do pronome se, na função de indeterminador do sujeito: Dorme-se melhor no inverno. (repare que, sem o pronome se, o sujeito estaria determinado – [Alguém] dorme melhor no inverno).

– Com verbo no Infinitivo pessoal: Era triste ficar sem material!

A oração é sem sujeito quando é formada apenas pelo predicado, o que acontece sempre com a articulação de um verbo impessoal, ou seja, que só pode ser conjugado na 3ª pessoa do singular e nunca apresenta um sujeito. Observe os casos.

– Verbos que exprimem fenômenos naturais: Choveu muito noite passada.

– Verbos ser, estar, fazer ou haver, expressando ideia de tempo ou fenômenos naturais.

É madrugada. / Está muito quente hoje! / Faz dois anos que partiu. / Há anos espero.

Observações:

• Os verbos Fazer e Haver, quando impessoais, nunca vão para o plural.

• Os impessoais são usados sempre na 3ª pessoa do singular, com exceção do verbo ser.

 

O Predicado

O predicado é tudo o que, numa sentença, é declarado a respeito do sujeito. Observe.

As indústrias adquiriram novas máquinas. / À noite, os animais se recolhem.

O predicado é verbal quando seu núcleo é representado por um verbo. Veja os casos.

– Com verbo intransitivo, quando a ação não se estende (ou transita). A nave aterrissou.

– Com verbo transitivo, quando a ação exige complemento, que pode ser através de preposição ou não. Todos precisam de carinho. / Ouvimos a alegre canção.

O predicado é nominal quando seu núcleo é um substantivo, o que normalmente ocorre com a presença de um verbo de ligação: Ela estava nervosa. Repare que a tarefa do verbo é secundária, pois poderíamos ter Ela ficou nervosa, andava nervosa ou mesmo ela, nervosa etc., de modo que é o nome que mais conta para a compreensão da sentença.

O predicado é verbo-nominal quando apresenta dois núcleos, um nominal e o outro verbal. Observe: As crianças saíram alegres da escola.

Se analisarmos essa sentença vamos perceber que na verdade estamos dizendo:

As crianças saíram da escola (predicado verbal) e estavam alegres (predicado nominal).

Amigos, sobre termos essenciais da oração é isso. Em nossa próxima oportunidade vamos abordar os termos integrantes da oração. Até a próxima, pessoal!


Sandro Gomes é Graduado em Língua Portuguesa e Literaturas Brasileira e Portuguesa, Revisor da Revista Appai Educar e Escritor.

Amigo leitor, dúvidas, sugestões e comentários podem ser enviados para a redação da Revista Appai Educar, através do e-mail: redacao@www.appai.org.br.


Deixar comentário

Seu email não será publicado