Salvando vidas | Appai apoia Hemorio em programa que incentiva jovem a doação de sangue


Com intuito de criar vínculos com escolas, professores, estudantes, comunidades e familiares, o Hemorio criou o Programa Jovem Salva Vidas, que conta com parceiros como a Appai que, através do Programa de Projetos e Ações Sociais (PPAS), investe recursos para dar continuidade ao trabalho. Através desse trabalho, alunos de escolas públicas e privadas participam de ações de conscientização e voluntariado com o objetivo de divulgar o hábito da doação.

Segundo dados do programa, parte-se do pressuposto de que, quanto mais cedo crianças e adolescentes tiverem acesso a informações sobre o líquido precioso que corre em suas veias, mais oportunidades terão de compreender o significado do autocuidado e da proteção à saúde, condições ideais para se doar sangue. O programa, criado em 1996 pelo serviço social do Hemorio, busca desenvolver ações educativas que colaborem para uma cultura de doação e transfusão de sangue, facilitando o esclarecimento de dúvidas e o desvendamento de mitos e temores acerca dessa questão.

De acordo com Keila Garcia, do Hemorio, o intuito do primeiro contato dos alunos com o Jovem Salva Vidas é estimular a ampliação do grupo de jovens voluntários para que eles possam colaborar na disseminação da cultura da doação de sangue: “Como ato de cidadania e responsabilidade social, além do fortalecimento dos cuidados com a saúde da juventude e do estímulo à continuidade para as futuras gerações”, explica. O primeiro encontro é marcado por palestras, dinâmicas, depoimentos e rodas de conversa entre representantes do Hemorio, professores, diretores e estudantes do 8º ano dos ensinos Fundamental e Médio.

Durante a oficina, Luana Kessy da Silva, paciente e voluntária do Programa Jovem Salva Vidas, contou sobre a dificuldade encontrada pela falta de doadores e consequentemente de bolsas de sangue. “Tenho anemia falciforme. Quando nasci o médico falou que eu não passaria dos 5 anos de idade. Hoje, com 24 anos e grávida, sei que superei as expectativas, mas ainda encontro muitas dificuldades em achar doadores, principalmente nos momentos difíceis”, lembra.

Além dela, a diretora do Colégio Estadual Conde Pereira Carneiro e associada da Appai, Carla Luciana Araújo, lembra que participou pela primeira vez das oficinas em 1998. “Neste encontro participei de palestras que foram muito importantes para minha vida, pois no ano seguinte tive meu filho Bruno. Ele tem a doença falciforme, que não foi triada pelo teste do pezinho. Mas as informações obtidas durante as oficinas, os sintomas e o resultado posterior do teste da minha segunda filha foram fundamentais para que eu mesma juntasse os fatos e concluísse que o Bruno era portador da doença. Tenho um carinho muito especial por esse sério trabalho realizado pela equipe do Hemorio”, lembra.

Pensando nisso, a diretora desenvolve nas escolas onde trabalha um projeto, intitulado de Galerinha Sangue Bom, cujo intuito é proporcionar conhecimento sobre a doença falciforme. “Procuramos também esclarecer e desmistificar situações que envolvem nossos alunos que têm a doença, evitando assim o bullying e o constrangimento no ambiente escolar. Faço da minha missão de vida colaborar para que este trabalho seja próspero e duradouro, bem como cuidar da saúde dos jovens alunos que passam pela minha vida”, argumenta Carla.

Após os depoimentos, palestras e dinâmicas, aqueles que se interessarem pelo programa poderiam se inscrever e começar a participar das atividades. De acordo com Simone Braga, do PPAS, que também prestigiou a oficina, estar no Jovem Salva Vidas é algo que contribui para a educação de cada integrante. “Auxilia na informação, formação, divulgação e incentivo na promoção da saúde e cidadania destes jovens como multiplicadores”, ressalta.

Lembrando que para doar é preciso ter entre 18 e 69 anos, pesar mais de 50 kg e estar saudável, além de bem alimentado. Jovens de 16 e 17 anos podem colaborar desde que tenham uma autorização do responsável. Para mais informações, acesse: http://www.hemorio.rj.gov.br/.


Hemorio
Rua Frei Caneca, 8 – Centro – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20211-030
Tel.: (21) 2332-8611
Site: www.hemorio.rj.gov.br
Fotos: Comunicação

Deixar comentário

Seu email não será publicado