Profissionais da Educação participam do programa Saúde Nota 10 da Appai


Falta de tempo, violência, muitas horas de trabalho dentro e fora da escola, baixos salários, a responsabilidade de educar crianças… Não faltariam justificativas de problemas que poderiam colocar em risco a saúde dos profissionais de Educação. Na Escola Municipal Viriato Correa, esses foram os relatos dos que participaram das palestras e atividades do programa Saúde Nota 10, promovido pela Appai.

O objetivo do projeto, que conta com uma equipe multidisciplinar, composta por psicólogo, dentista, enfermeiro, nutricionista e fisioterapeuta, é promover a prevenção de doenças e o bem-estar dos profissionais que atuam na escola. Para usufruir do benefício, o associado deve ligar para a Appai e solicitar a presença dos profissionais, que ministram palestras e promovem atividades com as pessoas na própria unidade.

Uma equipe muito especial

A psicóloga Ieda Herculano explica que a ideia das palestras é alertar a categoria para as principais doenças da atualidade, como hipertensão, diabetes e obesidade, e buscar alternativas para controle do estresse e a busca de uma melhor qualidade de vida. É um dia dedicado à saúde, já que no cotidiano muitos se esquecem de procurar o médico e não têm motivação para cuidar da saúde. O conceito do trabalho, segundo a psicóloga, é baseado em alimentação saudável e cuidados com o corpo. São mudanças de atitude visando um amadurecimento.

Segundo a dentista Yeda Rodrigues, a aceitação pelo professor é muito boa. No caso da E. M. Viriato Correa, a docente Renata Neves solicitou a visita dos especialistas para levar informações a seus colegas de trabalho: “Participei de uma oficina de alongamento pela Appai e então fiquei sabendo dessa possibilidade. Acho importante alertar nossa equipe para a prevenção de doenças, já que as pessoas se esquecem de procurar ajuda. Essas atividades teóricas e práticas quebram a rotina agitada, estimulam o cuidado com a saúde e no final os colegas adoram”, garante Renata. Yeda abordou as doenças periodontais relacionadas a desordens metabólicas. “Nosso enfoque de saúde bucal é orientar no sentido de as pessoas acompanharem a saúde das gengivas e ossos, já que o estresse torna as defesas do organismo mais fracas, propiciando a instalação de bactérias e doenças como o bruxismo”.

A nutricionista Raquel Azevedo esclareceu muitas dúvidas e levou muita informação aos participantes sobre o que se come e a forma correta de aproveitamento, com a proposta dos alimentos funcionais que, além dos nutrientes, possuem um valor agregado que ajuda a previnir doenças: “Para se aproveitar o lucopeno do tomate, por exemplo, devemos comê-lo de forma aquecida, para que ele possa liberar essa substância. E a semente da linhaça, para que nos beneficiemos do ômega 3, deve ser triturada e consumida na hora. Não adianta comprar farinha pronta”, ressaltou a nutricionista.

Dona Sônia, merendeira, também aprendeu bastante durante a palestra sobre alimentos para as mulheres que estão na menopausa: “Agora entendi por que meu cabelo está caindo”, brincou a funcionária, que vai passar a ingerir bastante soja para consumir isoflavonas, que fornecem hormônios para a mulher.

Questão de postura

“Vocês já pensaram na sua postura hoje?”, perguntou a fisioterapeuta aos participantes. No mesmo instante todos se ajeitaram nas cadeiras. A abordagem tem a função de lembrar as pessoas sobre a necessidade de uma postura correta: “Só paramos para pensar na coluna e no pescoço quando se instalam os processos dolorosos”. Portanto a dica foi manter a coluna da forma mais ereta possível. “Quem trabalha muito sentado deve adaptar a cadeira ao corpo com almofadas e quem trabalha em pé deve manter uma postura abdominal equilibrada. O ideal é estar sempre se policiando”. A fisioterapeuta também indicou atividade física, lembrando que o corpo foi feito para estar em movimento e citou os programas da associação que estimulam as corridas e caminhadas pelas ruas do Rio de Janeiro: “A Appai disponibiliza os estandes e quem quiser participar pode entrar em contato”.

Para finalizar o evento, a psicóloga propôs uma atividade lúdica com os funcionários. Para ela, a ansiedade e a agitação são os maiores fatores de estresse para os educadores. Yeda pediu que as pessoas, dispostas em círculos, dissessem bem alto algo que as estressa e soprassem uma bexiga que depois todos furaram, num gesto simbólico, gritando em seguida o que mais incomodava: “A brincadeira tem objetivo de descontrair. Todos temos ansiedade, problemas, é a condição humana. A questão é a forma como lidamos com os conflitos. Temos que identificar o que nos aflige e pensar o que vamos fazer com isso. Perceber o que incomoda, aceitar o que não podemos evitar e modificar o que é possível”, finaliza.

A professora Paula Andrez, que mediu a pressão durante o evento, aprendeu a lição. Após anos de docência, ela descobriu que estava hipertensa. Aproveitou as palestras para realizar um checape e ver o que poderia fazer para melhorar a qualidade de vida. Reconheceu que está sobrecarregada.

Para ela o encontro foi um momento de olhar para si, já que sua profissão exige muita dedicação aos alunos: “Nos dias atuais é difícil olhar para nós mesmos. Não temos tempo de ir ao médico e não saímos nos fins de semana porque estamos exaustos. Esse tipo de evento faz a gente parar para pensar. Se nós estivermos mal, como vamos cuidar e ensinar as crianças? Saí dessa “zona de conforto” e quero cuidar mais de mim”.


O educador que deseja uma visita da equipe Saúde Nota 10 pode acessar o site www.appai.org.br ou ligar para (21) 3983-3200.
Escola Municipal Viriato Correa
Rua Guararema, nº 50 – Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 21550-170
Tel.: (21) 3015-9826
E-mail: emviriatocorrea@rioeduca.com.net
Direção: Jorge Luis da Silva Santos

Deixar comentário

Seu email não será publicado