Personagens de filmes viram protagonistas em sala de aula


Professor usa criatividade e bom humor para tornar as aulas mais dinâmicas e atrair a atenção dos alunos

Harry Potter, Darth Vader, cavaleiro de Jedi, Deadpool, Jigsaw de Jogos Mortais. São esses e outros personagens que o professor Leandro Silvio Martins interpreta na hora de ensinar Geografia para os seus alunos. Afinal, criatividade e o bom humor podem ser ótimos aliados da aprendizagem. Com estes dois artifícios as aulas podem ficar mais dinâmicas, descontraídas e os estudantes acabam se interessando mais pelo conteúdo.

Segundo o educador, ele sempre procurou “trazer os alunos para dentro” do que estão estudando. Essa ideia veio do RPG, um jogo de interpretação de papéis, onde cada jogador assume um personagem em um mundo fantástico. Foi aí que Leandro pensou: “Por que não explorar o mundo que a Geografia ensina embarcando em uma fantástica aventura?”.

E a brincadeira não para aí! Em casa, é a mesma coisa. Desde que seu filho nasceu, ele ensina da mesma maneira. Brincando, em atividades lúdicas onde o pequeno nem percebe que está aprendendo. Para Leandro, essa é a maneira mais divertida de passar conhecimento, afinal ele sempre gostou desses assuntos. “Sempre fui meio nerd, leio quadrinhos, vejo animações, filmes e acompanho séries. Eu sei tudo sobre esse mundo de que os alunos gostam. Livros como Harry Potter fizeram surgir uma geração de leitores que não tínhamos”, garante.

Quando o filho de Leandro fez um ano, o tema foi Star Wars e para isso ele fez uma roupa de cavaleiro Jedi, o que garantiu a entrada em grupos que fazem visitas a hospitais infantis, creches e orfanatos. “Migrei as fantasias para dentro da classe escolar. E isso foi um sucesso! As aulas se tornaram mais alegres e os alunos aprendiam o conteúdo de Geografia, debatiam questões sociais, tornavam-se mais reflexivos e questionadores”, afirma.

O professor desenvolve esse trabalho em todas as turmas dos ensinos Fundamental e Médio em que leciona, na Escola Estadual Abdias do Nascimento e no Centro Educacional Valverde. Em uma de suas aulas, o tema era população. Após abordar os conceitos de demografia, ele instruiu os alunos a olhar como era e como é a relação das pessoas em sociedade. Se existe igualdade parental, como funciona a guarda compartilhada, o que é alienação parental. Tudo isso após discutir as teorias neomalthusiana e reformista, fazendo links entre conteúdos que atraem os alunos. Já em uma aula sobre redes, após explicar as redes geográficas, Leandro falou sobre a rede de transporte incluindo o aquaviário. “Daí foi um pulo para falar de pirataria e, é claro, vestido de pirata!”, brinca.

Outra aula diferente foi sobre as coordenadas geográficas. O professor usou o jogo on-line Pokémon Go, que tem como principal atrativo a realidade aumentada, que permite que os usuários capturem os bichinhos enquanto caminham pelas cidades, através do GPS do aparelho. “Na aula sobre o Reino Unido e a Commonwelth, colocamos uma coroa e um cetro na aluna Elizabeth. Afinal, é muito importante a interação constante entre os estudantes durante as aulas”, ressalta Leandro.

Outro aluno, Gabriel Santos, do 8º ano do Centro Educacional Valverde, garante que as aulas são completas e engraçadas. “Eu e meus colegas desejamos que não termine. Tédio é o oposto do que ele apresenta. O método de ensino nos faz sonhar com as várias culturas do mundo ou chorar com a empatia que nos surge quando falamos dos problemas que outras pessoas enfrentam em outras partes do planeta”, garante.

Quem faz coro com ele é Thamily Freitas, aluna da Escola Estadual Abdias do Nascimento. “O que faz com que as aulas dele sejam atrativas para os alunos é o fato de que tudo que ele ensina é contextualizado na atualidade. Isso faz a gente perceber que estudar não precisa ser aquela coisa maçante, que é logo esquecida quando o ano acaba, mas que a gente pode usar o que aprende pra repensar coisas do nosso dia a dia. Além disso, há os projetos sociais que ele nos mostra que devem ser inseridos na nossa rotina com naturalidade, porque ajudar o próximo nunca é demais”, elogia.

O educador afirma que a direção e o corpo docente também adoraram sua metodologia e outros professores decidiram aplicar elementos parecidos em suas aulas, principalmente devido ao aumento do rendimento dos alunos. O diretor do Centro Educacional Valverde, Alexandre Magalhães, permitiu que Leandro fizesse uma aula para os ex-alunos, que sempre gostaram de sua maneira de ensinar, mas vinham reclamar que “no tempo deles não tinha isso”.

Luís Miguel de Lira Farias, antigo aluno do Centro Educacional Valverde, conta que até hoje lembra de um projeto de que participou. “Ele fez muito mais que nos apresentar a Geografia, nos ensinou ética, cidadania e pluralidade”, relata. Quem também lembra das aulas do educador é Patricia Neves, que foi da Escola Estadual Abdias do Nascimento. “Sem dúvida é o tipo de mestre que faz seus alunos realmente se interessarem pela aula. Inclusive os mais dispersos! Levando em consideração o quão isso parece ser difícil, ele sabe tirar de letra. Sua didática e metodologia são realmente eficientes quando colocadas em prática. Hoje estou em outra etapa da minha vida, mas tenho orgulho em dizer que fui aluna dele”, afirma.

E não para por aí. O professor pretende repetir a iniciativa com direito a plantio de árvore e recolhimento de alimentos não perecíveis para doar a uma instituição escolhida pelos próprios alunos. Ele conta também que não são só os estudantes que passam a ser estimulados. “Os professores, mesclando seus gostos ao trabalho, trabalham mais vigorosos e felizes. A proximidade entre docentes e discentes só melhora, tanto que a maioria dos meus ex-alunos mantêm contato comigo depois de cinco e até dez anos”, relata Leandro.

Além disso, a iniciativa mobiliza os alunos a serem mais atuantes na sociedade de forma positiva, já que eles acabam acompanhando o trabalho do professor em grupos de caridade. “Ajudamos a criar cidadãos mais conscientes e atuantes. Isso se estende dos alunos aos pais, que passam a ser mais atuantes na vida escolar dos discentes, aos ex-alunos e até mesmo os funcionários da escola. As notas melhoram, o interesse aumenta e eles ficam ansiosos pelo que vai vir na próxima aula. Muitos já pegam os livros para saber quais são as próximas matérias e o que vem por aí”, garante.


Centro Educacional Valverde

Rua Manoel Correia, 809 – Valverde – Nova Iguaçu/RJ

CEP: 26291-021

Tel.: (21) 3794-6947

E-mail: secretariavalverde@bol.com

Escola Estadual Abdias do Nascimento

Rua Alexandre Fleming, s/nº – Vila Nova – Nova Iguaçu/RJ

CEP: 26225-490

Tel.: (21) 2797-8148

E-mail: ceabdiasn@gmail.com

Fotos cedidas pelo professor


Deixar comentário

Seu email não será publicado