O peso da melanina na espécie humana


Projeto discute a importância da educação para o combate ao racismo institucional

“Possuímos características diferentes, recebemos educação de pessoas com pensamentos diferentes. Ainda vemos crianças que expressam o racismo, empresas que não aceitam trabalhador por causa de sua etnia, religião. Devemos dizer não ao preconceito!”. Essa é a realidade que a aluna Lorena da Silva Rodrigues Nunes relatou ao participar do projeto Reconhecendo as condições para a valorização dos alunos e alunas negros e negras, do Colégio Estadual Vila Bela, localizado no município de Mesquita, no Rio de Janeiro.

O projeto é voltado para discutir as condições históricas e atuais dos afrodescendentes no Brasil e debater a valorização estética e a importância da educação para o combate do racismo institucional. Os professores e coordenadores responsáveis pelas atividades foram Luiz Alberto Bruno, Fausto Lima de Oliveira, Gilberto Silva de Andrade, Hebert Guimarães Calvosa e Marcelo Santos de Almeida. De acordo com eles, as atividades contam com questionamentos sobre as relações étnico-raciais, através de debates, numa interação entre os participantes dos eventos, buscando a valorização da estética do cabelo, do corpo e do conhecimento das diversas visões de origem africana e suas ramificações racializadas no Brasil.

Os educadores ressaltam que o conteúdo sobre a Lei 10.639/2003, que trata da História e Cultura Afro-brasileira, ainda não é posto em prática na educação formal. “Dessa maneira o projeto complementa a lacuna entre a lei e a sua falta da implementação. Ao mesmo tempo, está incorporada à agenda dos “21 dias de ativismo contra o racismo”, movimento articulado pelos profissionais da educação que possuem vínculos com as organizações não-governamentais e que lutam contra o racismo no Brasil, buscando sempre a igualdade entre os grupos étnicos. Isso com o reconhecimento do quantitativo de alunos e alunas afrodescendentes que estudam no C. E. Vila Bela”, explicam.

O projeto, que abordou as disciplinas de História, Geografia, Educação Física, Sociologia e Animação Cultural, contou com a participação dos alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio, totalizando 140 estudantes. Para a culminância do projeto foram realizadas atividades como palestras, debates, oficina e exibição de filmes. Os temas escolhidos foram “O corpo negro na sociedade”, “O racismo e suas nuanças” e “Desvendando o racismo através das imagens”.

Filmes usados para debater a questão sobre o racismo

A Alma no Olho
O curta-metragem promove uma metáfora sobre a escravidão e a busca da liberdade através da transformação interna do ser, num jogo de imagens de inspiração concretista.
O Xadrez das Cores
O curta-metragem traz uma história densa, que se desenvolve como um jogo de xadrez. A temática séria e profunda fala da discriminação racial.
O Preconceito Cega
Curta-metragem que serve para autocrítica e reflexão sobre os múltiplos olhares de uma convivência em sociedade. Um material para forçar a outra perspectiva de narrativa e discutir sobre o preconceito “nosso de cada dia”, calcado na falsa aparência.
Boa Esperança
Com 12 minutos de duração, o documentário mostra os bastidores da produção do videoclipe da música Boa Esperança, que trata da revolta de um grupo de empregadas domésticas contra os patrões, durante um banquete na casa onde trabalhavam.

 

A aluna Hávila Karoll R. Vieira, da turma 1.009, conta que achou muito interessantes os filmes que foram exibidos. “Deu para entender que até hoje ainda temos o racismo. Vejo muito isso acontecer. É triste e revoltante essa situação”, relata. Já a estudante Ester Aine Ribeiro, da turma 2.009, afirma que o debate é de extrema importância para expressar nossas opiniões e dizer o que achamos certo ou não. “Todos nós devemos fazer nossa parte para combater o racismo”, completa.

A coordenadora pedagógica da unidade escolar, Cláudia Badaró, ressalta que o trabalho foi dinamizador no que diz respeito à questão abordada, tudo de forma muito esclarecedora, destacando a postura consciente de todos os professores. “Nossos alunos participaram de forma positiva. Agradeço a realização de toda a atividade para o enriquecimento de nossa comunidade escolar”, finaliza.


Colégio Estadual Vila Bela
Rua Tibiriçá, 285 – Rocha Sobrinho – Mesquita/RJ
CEP: 26232-360
Tel.: (21) 3765-6561
E-mail: familiavila@oi.com.br
Fotos cedidas pela escola

Deixar comentário

Seu email não será publicado