Encontro Cultural de História


Projeto desvenda talentos e prepara o aluno para a vida

O Encontro Cultural de História, realizado no Colégio Estadual Yonne Maria Siqueira de Andrade, com o 9º ano do Ensino Fundamental e o Ensino Médio, surgiu a partir da necessidade de despertar o talento do alunado. A professora Lygia Vasconcellos, de História, idealizadora do programa, escolheu para o trabalho nomes como Tim Maia e Dorival Caymmi, além de artistas gospel, já que a clientela também já canta nas igrejas: “Lembrei a eles que nos Estados Unidos grande parte dos músicos, como Elvis Presley, Michael Jackson e Lionel Ritchie, aprendeu a cantar nos templos religiosos. Meu objetivo foi dar visibilidade a esses jovens, que precisam reconhecer seus dons e habilidades, e cada um atuou no que sabia fazer de melhor”, justifica Lygia.

As etapas dos projetos incluíram investigação na Internet e os ensaios durante o quarto bimestre. “Tim Maia está em alta, e por isso também resolvemos trazer o passado”, conta a professora, que escolheu, junto com o grupo, a canção “Descobridor dos sete mares”, e pôde conversar sobre a biografia do cantor e compositor e a história das grandes navegações: “Descobri que, apesar de os jovens de hoje serem mais levados, são mais tímidos, principalmente na hora de fazer as tarefas. À medida que eles começam a trabalhar, a gente descobre as habilidades através das apresentações. Os adolescentes têm seus obstáculos e precisamos ter a mente aberta e dedicação”, lembra a coordenadora pedagógica Glória Regina Bandeira. No dia da culminância, no auditório da escola, as alunas Isleny e Ana Paula se destacaram com suas vozes. Já Ewerton e Lucas tocaram e cantaram Tim Maia, músico que grande parte da garotada desconhecia.

Outra equipe apresentou vídeos sobre os problemas do bairro. Os estudantes saíram às ruas, entrevistaram moradores, filmaram e expuseram o que encontraram. Cada equipe abordou uma questão. Todos falaram sobre saúde, educação, moradia, saneamento básico e lazer. Chegaram à conclusão de que o local ainda está muito carente. A aluna Glace, na época grávida de nove meses, saiu com o grupo para as gravações e teve muita dificuldade de circular pelas ruas. Eles ficaram muito empolgados, se sentindo realizados, e reclamaram dos políticos que a cada eleição fazem suas promessas e depois desaparecem do bairro: “Eles somem do Km 32, e os problemas continuam os mesmos”, concluiu Glace. A grande surpresa do trabalho foi Fábio, do 9º ano, um aluno bastante agitado, mas que se destacou nas tarefas de projeção do vídeo e operação de data show e som.

Outra equipe trabalhou com a obra literária de Dorival Caymmi. Os alunos pesquisaram as músicas antigas e preferiram trabalhar com a declamação de poesia. O aluno Arthur, que nunca tinha ouvido falar no compositor baiano, teve que pedir ajuda de pessoas mais experientes, mas se surpreendeu com as descobertas. Eles recitaram a poesia “Balacobaco”, conhecida como a trilha sonora da Tia Anastácia, do Sítio do Pica-pau-amarelo: “Fizemos um poema”, conta Arthur orgulhoso.

O poema “Roda Peão” fala sobre as brincadeiras da infância e as transformações com o passar do tempo. “O grupo o escolheu porque fazia muito sentido na vida deles. Se identificaram com o conteúdo”, explica Lygia. Os alunos Fabrício e Daniel fizeram uma comparação e uma leitura crítica da infância dos tempos atuais: “É uma pena que hoje em dia uma criança de dois anos já esteja com um tablet na mão. Não joga bola, não brinca de bola de gude e nem de peão”.

Para a diretora Maria Lima Machado, o trabalho estimula o jovem a se inserir no contexto social. Ela acredita muito na iniciativa da professora Lygia, que atua de maneira dinâmica, e faz com que os alunos participarem com interesse: “A gente se surpreende, pois eles perdem a inibição, estão mais desenvoltos. Os colegas prestigiam o trabalho um do outro e vão se preparando para quando saírem da escola, já que vão precisar da oratória para vender, se comportar e procurar emprego. Se o professor não estiver sempre ao lado do aluno ele não cresce. O objetivo do projeto, que foi alcançado, foi reunir as turmas, trabalhar a cooperação e a solidariedade entre os alunos. Esses jovens têm suas habilidades, mas precisam de direcionamento, e o projeto é uma oportunidade de eles romperem com as barreiras e descobrirem possíveis caminhos. Estamos preparando esses estudantes para o mercado de trabalho e para a vida”, conclui.


Por: Claudia Sanches
Colégio Estadual Yonne Maria Siqueira de Andrade
Rua Agnaldo S. Pires, km 32 – Parque São Francisco – Nova Iguaçu/RJ
CEP: 26298-557
Tel.: (21) 2799-5840
E-mail: c.eyonne@hotmail.com
Direção: Maria Lima Machado
Fotos: Marcelo Ávila

Deixar comentário

Seu email não será publicado