Dia de Doação de Leite Humano


Quem aqui nunca ouviu uma mulher que estivesse amamentando seu filho falando: “Meu peito empedrou”, “Meu bico está rachado”, “Estou com febre de leite”, “Meu filho não gosta do meu seio esquerdo”? Estes e outros problemas podem ser resolvidos em um banco de leite, que conta com uma equipe multidisciplinar (enfermeiros, médicos, nutricionistas, psicólogos) para apoiar e ajudar esta mulher neste período de fragilidade e insegurança, que é a lactação.

 

19 de maio é oficialmente o Dia Mundial de Doação de Leite Humano, conforme definido durante o V Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Humano e o I Fórum de Cooperação Internacional em Bancos de Leite Humano. Por isso, no post de hoje explicamos como esse banco de leite funciona e a importância daamamentação para o bebê e a mãe.

 

Danielle Aparecida da Silva – professora, associada da Appai e coordenadora do Banco de Leite Humano do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira/Fiocruz – explica que um BLH é uma unidade de saúde que tem por missão apoiar, promover e proteger o aleitamento materno e que tem em suas atividades a coleta da produção láctea excedente da mulher, o controle de qualidade, o processamento e a distribuição do leite doado a recém-nascidos prematuros, que apresentam baixo peso ao nascer.

 

De acordo com Danielle, algumas mulheres produzem muito mais leite do que seu filho é capaz de cosumir, e o excedente pode ser doado a um banco de leite. “Basta esta mulher entrar em contato com o banco mais próximo, preencher um cadastro por telefone mesmo e vamos na casa dela coletar essa doação. Esse leite passa por um controle de qualidade, será pasteurizado e distribuído a bebês internados em UTIs neonatais, que por algum motivo se encontram impossibilitados de se alimentar diretamente no seio materno”, explica.

 

Os bancos de leite trabalham na rede global de bancos de leite humano (rBLH), hoje com mais de 220 unidades de BLHs e 189 postos de coleta no Brasil.

 

 

A partir de 2005 essa tecnologia começou a ser exportada para outros países da América Latina, Central, Península Ibérica e África.

 

 

Importância da amamentação para o bebê e a mãe

 

Segundo o Ministério da Saúde, o leite materno é um dos fortes aliados no combate à mortalidade infantil. Só na última década a taxa caiu praticamente pela metade (47%) no país. Uma grande conquista construída a cada dia, com campanhas de incentivo à amamentação e doação de leite materno.

 

A amamentação nos seis primeiros meses de vida ajuda a salvar, por ano, mais de seis milhões de bebês em todo o mundo. Durante esse período, o bebê que mama no peito não precisa de nenhum outro alimento e nem de líquidos, já que o leite materno é completo, sacia a sede, a fome e possui todos os nutrientes necessários para que ele cresça e se desenvolva de forma forte e saudável.

 

Já a mulher, ao amamentar, perde mais rápido o peso que ganhou durante a gestação, fica protegida de diversas doenças, diminui o sangramento do útero (que ocorre por um período após o parto), prevenindo anemia, reduzindo as chances de desenvolver osteoporose, câncer de mama, útero e ovário. Além disso, a amamentação estimula a aproximação e intimidade com o filho, dando segurança a ele.

Para localizar o BLH mais próximo, acesse www.rblh.fiocruz.br.


Deixar comentário

Seu email não será publicado