Como pais e professores podem alertar as crianças sobre os riscos


A notícia sobre a morte da pequena Adrielly Gonçalves, de 7 anos, que inalou uma grande quantidade de desodorante aerosol, trouxe à tona um velho conhecido das crianças e adolescentes que fazem uso do mundo digital sem a menor noção sobre os riscos camuflados por trás da telinha. Segundo familiares, ao colocar o frasco na boca a menina tentava imitar um vídeo, que circula livremente nas redes sociais, mostrando como fazer parte do “desafio do desodorante”.

Recentemente a “Baleia azul” e o “desafio de enforcar um amigo” – até que ele desmaiasse – também chocaram pais e professores pelo grande envolvimento de crianças e adolescentes, de classes sociais diversas, deixando claro que a vulnerabilidade no uso da internet por esse público infantojuvenil é um barril de pólvora propenso a estourar e levar a consequências fatais, como o óbito da menina Adrielly.

A facilidade de busca e a grande oferta de resultados acabam sendo um facilitador para que crianças queiram testar seus limites, sem muito discernimento de seus atos. De acordo com um jornal de grande circulação do Rio, no Google, uma pesquisa pelo grupo de palavras “desodorante droga” dá um retorno de quase 200 mil resultados, com matérias alertando sobre os riscos, porém divulgando vídeos que ensinam o passo a passo de como a inalação deve ocorrer.

É importante que pais, familiares e professores, sobretudo pela proximidade da volta às aulas, efetivamente no pós-carnaval, conversem com as crianças em geral, sejam filhos ou alunos, e relatem de forma clara e objetiva os riscos escondidos por trás dos múltiplos atrativos da internet. Além de esclarecer, os responsáveis devem acompanhar e usar dispositivos que filtrem os conteúdos, garantindo assim mais segurança na web acerca daquilo que as crianças podem assistir. De acordo com especialistas, jovens que participam destes desafios são expostos seis vezes, em média, a um conteúdo semelhante abrindo novas portas, o que os deixa ainda mais vulneráveis e predispostos aos ataques da web.


 


Deixar comentário

Seu email não será publicado