Criando paredes falantes


Saiba como uma unidade pré-escolar tornou a parede da sala de aula um instrumento pedagógico

As paredes da escola são repletas de aprendizagem. Os corredores representam um espaço de circulação e encontros entre alunos, funcionários, pais e visitantes. Mas saiba que esse cantinho possui um valor muito importante, pois como num passe de mágica ele pode se tornar um grande instrumento pedagógico, bastando apenas criatividade e muita dedicação educacional.

No município de Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre, os alunos da Escola de Educação Infantil Cantinho Feliz já possuem uma gama de atividades pedagógicas voltadas à orientação educacional. Eles ainda não sabem ler, mas a cada dia estão mais familiarizados com todos os símbolos com que passarão a ter contato no ciclo escolar fundamental. Tudo isso por conta do engajamento das professoras que aplicam nas paredes diversas atividades que promovem uma pré-alfabetização.

Afinal, começar a reconhecer as letras é o primeiro passo para aprender a ler e escrever. É comum as crianças demonstrarem curiosidade sobre as letras que formam o seu nome e suas palavras preferidas, como substantivos que representam animais, as cores, os pais. Algumas aprendem as letras muito rapidamente, enquanto para outras o aprendizado depende de mais estímulos e repetições. O que ajuda nesse processo de reconhecimento do abcedário é saber como apresentá-lo de forma lúdica e divertida. E diversão é o que não falta na Cantinho Feliz.

Os pequenos dessa unidade escolar têm idades entre dois e cinco anos e meio, idade máxima na qual posteriormente já é possível matriculá-los no ciclo fundamental básico, onde passarão definitivamente pela alfabetização e letramento. Mas, enquanto isso, as atividades lúdicas dão vazão à aprendizagem de uma forma muito leve onde os alunos brincam e aprendem ao mesmo tempo.

Apesar de os custos de manutenção serem reduzidos, por se tratar de uma unidade educacional de assistencialismo, a criatividade torna-se um amplo espaço pedagógico. Nas paredes, letras e números se destacam. Murais com nomes dos alunos e atividades realizadas também são expostos. Em datas comemorativas, ficam muito personalizadas, como no Dia do Índio, por exemplo. Ainda há diversas músicas folclóricas que interagem diretamente com nosso cotidiano, fazendo com que as cantigas de roda continuem vivas sendo passadas para as novas gerações.

Para a diretora da escola, Margareth Borges, a parede é um espaço de extrema importância na aprendizagem, pois é um local em que as crianças têm um grande contato visual e manual. “O ambiente onde as crianças convivem deve ter informações visíveis e palpáveis, pois assim o aprendizado se torna natural, no tempo de cada um”, explica a diretora.

Um fator importante para a utilização das paredes é fazer com que os alunos se identifiquem. Os pequenos estudantes, que estão na fase inicial de absorção de aprendizagem, também são sujeitos que vivem um momento histórico e social. Afinal, eles moram em determinada região e possuem símbolos da sua própria cultura. Assim, a customização do espaço da sala de aula ganha grande relevância, pois, ao adotar espaços com familiaridade simbólica relacionada à realidade das crianças, promove-se o desenvolvimento das sensações de pertencimento a esse lugar que é do aluno, por direito.

Margareth ainda ressalta que o resultado é muito gratificante e surte efeitos bastante positivos, pois os pequenos estudantes mostram diariamente, através de suas curiosidades, vontade de entender o que há na parede. “O intuito é que as crianças sejam independentes na busca por informação, que elas saibam interagir no seu ambiente, fazendo com que essas descobertas sejam prazerosas”, enaltece a diretora.

Vale ressaltar que montar exposições com os trabalhos dos alunos é uma forma de comunicar e valorizar o processo de ensino e aprendizagem. Uma exposição permite ao visitante conhecer melhor a escola e o seu ensino aplicado, construindo assim uma atitude de respeito e valorização em relação ao trabalho realizado pelos alunos e professores. O importante é permitir um movimento vivo e construído pelas próprias crianças. Assim, no encerramento do ciclo, o espaço terá uma identidade, refletindo tudo o que aconteceu durante o ano, comprovando que as brincadeiras nas paredes se tornaram ricas atividades pedagógicas.


Por Richard Günter
Escola de Educação Infantil Cantinho Feliz
Rua Rev. Alcides Francisco de Souza, 574 – Morada do Vale III – Gravataí/RS
CEP: 94080-000
Tel.: (51) 3042-6682
E-mail: eeicantinhofeliz@yahoo.com.br
Fotos cedidas pela escola


Deixar comentário

Seu email não será publicado