BNCC e a Educação Financeira nas escolas


A partir deste ano, e dos próximos, a educação financeira deve chegar às salas de aula de todo o país. Com a homologação da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), o assunto agora está entre os temas transversais que irão compor os currículos das escolas brasileiras.

A inclusão do tema segue a tendência de estudos recentes, os quais apontam que, quanto mais cedo os alunos tiverem contato com a educação financeira, maiores serão as chances de adotarem hábitos de consumo consciente.

Essa abordagem nas escolas pode proporcionar ao país gerações mais educadas financeiramente nos próximos anos. Temos a grande chance de fazer com que elas saibam lidar com o dinheiro de forma lúcida, equilibrada e consciente a fim de alcançar seus objetivos e realizar seus desejos e sonhos.

Apesar do texto introdutório da Base sugerir que a educação financeira seja trabalhada de forma transversal e integradora, essa menção aparece explícita no documento orientador de matemática no quinto, sexto, sétimo e nono ano do Ensino Fundamental.

Portanto, é importante que as escolas adotem um trabalho articulado em seus currículos, pois a educação financeira vai além da compreensão de juros simples e compostos e percentuais. Ela é uma mudança de valor. Precisa ser trabalhada de modo transversal e interdisciplinar para que todos os professores, através de suas respectivas disciplinas, apropriem-se do conceito e transformem suas aulas. Deve-se levar às crianças uma visão de que poupar vai além de colocar as moedas no cofre, conscientizando-as de que o planejamento financeiro é essencial para uma vida mais plena e confortável financeiramente.

Como forma de apoiar a inserção do tema nos currículos das escolas, é necessária uma mobilização a respeito da importância de se promover a educação financeira, que envolve a construção de materiais de apoio, bem como atividades que reflitam a prática, tendo como objetivo empoderar a comunidade escolar para desenvolver atitudes conscientes de sustentabilidade financeira.


Glauber Lobato é professor e psicopedagogo, atuando no ensino básico, superior e na educação executiva. Pesquisador nas áreas de Gestão do Conhecimento, Tecnologias Educacionais e Processos de Aprendizagem.


Deixar comentário

Seu email não será publicado