Saúde em movimento

Projetos e atividades ligados ao exercício corporal têm sido um eixo no aumento da capacidade cognitiva do ser humano


Para manter uma vida saudável alguns hábitos precisam ser inseridos na rotina das pessoas, como uma alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos. Ao longo da reportagem mostraremos como a atividade esportiva, além de fazer bem para sua saúde física e mental, promovendo uma sensação de bem-estar, aumenta a capacidade cognitiva e resulta em benefícios à vida dos estudantes em todos os aspectos.

De acordo com especialistas, ao participar de uma ou mais modalidades esportivas, as crianças e os jovens desenvolvem também competências técnicas e habilidades emocionais e cognitivas que são essenciais para a formação integral. Principalmente nas atividades esportivas em grupo, os estudantes de todas as faixas etárias aprendem a se relacionar melhor com os colegas e professores, ganham mais na capacidade de leitura e de resolução de cálculos, além de aprimorarem a memória e a tomada de decisões.

Vamos brincar e nos divertir

A psicopedagoga Cristiane Guedes ressalta que com Piaget entendemos que o desenvolvimento da criança acontece através do universo lúdico. E que o brincar é a maior fonte de construção de conhecimento e de interação social, quando praticado de forma democrática. Nesse momento, a criança lida com suas reais habilidades e competências, apurando sua capacidade de análise, de exploração do mundo e de conhecimento de si. “Nessa linha do brincar, é fundamental que se entenda um pouco sobre a atividade física regular, pois estimula o desenvolvimento global da criança e consequentemente do adulto, facilitando o processo de socialização, de autoestima, a prevenção de doenças e principalmente gerando bem-estar”, explica Cristiane complementando que a prática regular sugere uma melhor forma para lidar com a possibilidade de transformar, adaptar, criar, interagir e integrar-se. Os estudantes aprendem, com isso, a elaborar suas reflexões e estratégias permitindo que aumente de forma positiva a experiência relacional em grupo. “É uma forma de harmonia pessoal, pois vamos conhecendo nossas possibilidades de experimentar, explorar sentimentos, valores e crescer desenvolvendo as habilidades pessoais”.

Segundo estudos, além de cooperar com as habilidades sociais, a atividade esportiva contribui e muito para as de aprendizagem, por promover o estímulo de células nervosas do hipocampo, responsável pelo armazenamento da memória e pelo humor. “E, sem dúvida alguma, é importante na prevenção de doenças, sejam elas físicas ou emocionais, como a depressão e a ansiedade. A prática de esportes não colabora apenas para os movimentos do corpo, mas também para o desenvolvimento da linguagem, através da elaboração criativa para lidar com as situações que se apresentam no cotidiano. Portanto, trata-se de uma grande aliada ao desenvolvimento global para o indivíduo”, garante a especialista.

 

Escolas investem na saúde através das atividades físicas

Obrigatória na grade curricular a partir do quinto ano, a disciplina Educação Física ainda é, para muitos, nada além de um momento de diversão em que os alunos podem jogar bola, basquete ou vôlei. Mas engana-se quem pensa dessa forma. Isso porque a BNCC – Base Nacional Comum Curricular –, cujo documento define as aprendizagens essenciais que os alunos brasileiros no Ensino Básico devem obter, inclusive quanto à Educação Física, organizando e norteando as competências e produções do conhecimento essenciais para o bom aproveitamento do desenvolvimento dos currículos nas escolas.

Entenda como a BNCC projeta a Educação Física nas divisões de ensino

Na Educação Infantil, apesar das orientações não aparecerem como Educação Física, são mencionadas aprendizagens correlaci onadas ao corpo no dia a dia de crianças entre zero e 5 anos e 11 meses de idade. Destacamos dois desses pontos a serem difundidos entre os pequenos.

Bebês (zero a 1 ano e 6 meses) devem aprender a:
Perceber as possibilidades e os limites de seu corpo nas brincadeiras e interações das quais participam.
Imitar gestos e movimentos de outras crianças, adultos e animais.

Crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses):
Explorar formas de deslocamento no espaço (pular, saltar, dançar), combinando movimentos e seguindo orientações.
Desenvolver progressivamente as habilidades manuais, adquirindo controle para desenhar, pintar, rasgar, folhear, entre outros.

Crianças pequenas (4 anos a 5 anos e 11 meses):
Demonstrar valorização das características de seu corpo e respeitar as das outras (crianças e adultos) pessoas com as quais convivem.
Criar com o corpo formas diversificadas de expressão de sentimentos, sensações e emoções, tanto nas situações do cotidiano quanto em brincadeiras, dança, teatro, música.

No Ensino Fundamental, os conteúdos da Educação Física são divididos em seis unidades temáticas:
Temática 1: Brincadeiras e jogos
Temática 2: Esportes
Temática 3: Ginásticas
Temática 4: Danças
Temática 5: Lutas
Temática 6: Práticas corporais de aventura

Veja quadro abaixo:

 

No Ensino Médio as orientações norteiam para a experimentação de novas brincadeiras, esportes, danças, lutas, ginásticas e práticas corporais de aventura. De acordo com a BNCC, nessa fase de ensino os alunos precisam ser levados à reflexão e desafios sobre essas atividades de modo social ou cultural.

Como os estudantes veem a disciplina Educação Física

Entre os alunos geralmente a Educação Física na escola ainda é vista como uma disciplina complementar, menos importante do que Língua Portuguesa, Matemática, História ou Ciências. Esse mito vem sendo derrubado em algumas unidades escolares através do investimento na saúde dos educandos por meio de atividades físicas, que não se baseiam apenas em jogar, mas sim educar, oportunizar, adaptar e prevenir.

É o que explica Rosa Malena Carvalho, professora do Instituto de Educação Física da UFF, ao afirmar que faz parte da realidade brasileira ter escolas sem ambientes exclusivos para a Educação Física, mas o “direito à educação, incluindo a prática corporal, permanece”, explica a docente, lembrando que muitos professores da rede se esforçam e adaptam locais, como sala de aula ou auditório, para oferecer alongamento com cordas elásticas e ginásticas diversas.

IFRN – Campus Apodi
É o caso do projeto Educação Física Escolar: Saúde e Qualidade de Vida, do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, coordenado pela professora Jane-Mery Nunes, que, com o auxílio de estagiários, promove com os alunos a iniciação à prática de esportes nas diversas modalidades. Segundo ela, a atividade física é essencial para a manutenção e melhoria da saúde e a prevenção de enfermidades, para todas as pessoas em qualquer idade, contribuindo para a longevidade e melhora da qualidade de vida, através dos benefícios fisiológicos, psicológicos e sociais.

O atleta Robson Caetano orienta os alunos nas aulas de educação física do colégio Ao Cubo

Com recursos simples, os alunos da QI praticam atividades físicas de uma forma lúdica e cheia de aprendizagem

Educação de Jovens e Adultos
Já o projeto Peja na Rússia, realizado com as turmas de jovens e adultos da E. M. Frederico Trotta, na Barra da Tijuca, utiliza a modalidade de caminhadas e corridas para ensinar língua estrangeira, como explica o professor de Educação Física José Roberto Carvalho. “A ideia foi aliar conteúdo cultural às práticas esportivas, a fim de desenvolver as noções básicas do alfabeto cirílico e do idioma russo”, atesta o professor.

Escola Municipal Rural de Tempo Integral Ponte de Pedra
Depois de constatar que, durante as práticas esportivas, os alunos só se interessavam por futebol, a professora Laís Cecília da Silva Borges, da escola que fica no município goiano de Paraúna, resolveu desenvolver o projeto Sedentarismo x Atividade Física – Uma Luta Diária, com o objetivo de motivá-los. Desenvolvido em 2015 com alunos do sexto ano do Ensino Fundamental, não só alcançou seus objetivos como foi premiado em sua região.

Ao Cubo
No Ao Cubo o Professor Robson Caetano, medalhista olímpico e conhecido pelos associados por ter participado de um dos painéis da Appai na Bienal do Livro Rio 2017, destaca o papel da educação física, que, segundo ele, vai muito além do trabalho com o corpo. “Nós preparamos o indivíduo para uma sociedade mais saudável”, ratifica Robson. De acordo com o atleta, as atividades entre os escolares são as mais diversas, passando pelas brincadeiras com bola, do tipo handebol, futebol, vôlei, basquete, práticas de atletismo, jogos da velha guarda, como queimado, e até pique-esconde, entre outras coisas. “No primeiro ano do Ensino Médio somos mais lúdicos, e no segundo a gente fica um pouco mais técnico”, explica.

Matriz Educação
No Colégio Matriz Educação, a Educação Física tem como conteúdo central variadas práticas corporais construídas ao longo da história da humanidade. A este conjunto chamam Cultura Corporal, que engloba danças, jogos, brincadeiras, esportes, ginásticas e diversos outros elementos de alta complexidade de sentidos/significados. Sobre isso, Emanoel Borges Candal, professor e coordenador de Educação Física do Matriz, tem um objetivo bastante específico: “Não nos basta fazer o esporte por fazer ou realizar repetição de movimentos sem sentido pedagógico ou desarticulado da proposta principal de uma escola, que é o processo de ensino-aprendizado significativo”, garante o docente.

Na QI, a integração entre alunos, pais e professores faz o maior sucesso nos projetos

QI
Nas unidades da escola QI, o professor de Educação Física José Augusto Gouvea nos revela que a metodologia aplicada busca o desenvolvimento integral do aluno, valendo-se do caráter participativo e inclusivo, sem supervalorizar a competição. Os valores humanos, a empatia, a criatividade e o diálogo na busca da solução de problemas e conflitos são sempre enfatizados e privilegiados, destaca o docente, relembrando que, neste caminho, o que é abordado vai muito além dos esportes convencionais. Por exemplo, há um módulo específico no planejamento para os esportes adaptados a pessoas com deficiência e outro de resgate dos jogos populares de gerações passadas, quando os alunos são incentivados a pesquisar na família diversões e brincadeiras que não são comuns atualmente.

Não é só a criançada que se beneficia, os adultos também!

Isso mesmo! Os benefícios da atividade física regular não se restringem somente aos pequenos, a prática também é de extrema importância para os adultos. Segundo um levantamento feito pelo projeto Colorindo o prato e movendo o sapato, da Uerj, a prática esportiva contribui também para o bom funcionamento dos órgãos, principalmente o coração; diminui a ansiedade, o estresse e a depressão; ajuda na prevenção e no controle de doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão arterial, osteoporose e problemas respiratórios; e auxilia para o funcionamento normal dos mecanismos cerebrais de controle de apetite, de modo a trazer um equilíbrio entre a ingestão e o gasto de energia. Além disso, a atividade física, aliada a uma alimentação saudável, acelera o processo de perda de gordura, melhora a distribuição e aumenta a massa magra corporal, ou seja, os músculos.

Para você que não está satisfeito com a balança, a melhor maneira de controlar o peso é a combinação de boa alimentação com exercícios e não apenas um ou outro. O ideal é atividade física regularmente, pelo menos três vezes por semana. Ah, você não precisa ficar várias horas praticando esportes e suando sem parar. “Pegar pesado” é para atletas. Comece aos poucos, procure um especialista para avaliar suas necessidades e descubra o que você mais gosta de fazer. Para te dar uma forcinha, selecionamos alguns esportes e os seus benefícios. Quem sabe não te ajuda na hora de decidir por um ou quem sabe todos!

Balé

O balé clássico é uma verdadeira ginástica mental. Afinal, não é tão simples para o cérebro memorizar tantos nomes (99% em francês) e ainda por cima associá-los aos movimentos de pernas, braços e cabeça. Além disso, a atividade trabalha todos os músculos do corpo, inclusive aqueles internos muito difíceis de serem acionados com o 1, 2, 3 da ginástica ou da musculação. E o melhor: a dança, em geral, movimenta os músculos juntos, sem que a pessoa faça separadamente braço, perna, glúteo e assim por diante.

Boxe

Considerada uma das lutas mais tradicionais, o boxe é um esporte que ajuda a definir o corpo. Ele auxilia, principalmente, na melhora do condicionamento físico. Além disso, assim como outras lutas ele trabalha a agilidade, a coordenação motora, os controles cardíacos e da respiração. Sem contar que pode auxiliar diretamente no desenvolvimento da disciplina. E o bacana é que atletas de diferentes níveis de peso conseguem praticar esse esporte.

Ciclismo

O esporte é capaz de projetar um foco inacreditável nos músculos inferiores. Inclusive, essa é uma das atividades físicas mais indicadas para definir o corpo, além de ser bem na medida para atletas que na academia não gostam muito de exercícios para membros inferiores. Andar de bicicleta com toda a certeza dará mais força e definição para as pernas. E o bom é que esse esporte também tem foco na parte funcional, sendo um grande aliado na prevenção de lesões.

Corrida

Provavelmente esse é o esporte mais barato que você poderá praticar. Afinal, não é necessário nada mais que um tênis e ruas para iniciá-lo. A corrida é sem sombra de dúvidas uma das maiores aliadas de quem busca definição. Isso porque ela consegue trabalhar não só o fortalecimento dos músculos inferiores, como também o controle cardíaco e respiratório. E ela também pode agregar muito ao bem-estar mental. Percorrer distâncias longas correndo ajudará você a diminuir os níveis de estresse e renovar as energias para lidar com a correria do dia a dia.

A Associação dos Professores do Estado do Rio de Janeiro (Appai) é considerada a maior equipe de corredores de rua do mundo. Isso porque mais de 50 mil pessoas se inscreveram nas principais provas do estado, oferecidas como lazer dentro do sistema de benefícios.

Crossfit

Se tornou uma verdadeira moda entre as pessoas que buscam uma vida mais saudável e a definição corporal. E não é à toa! Os exercícios diferenciados conseguem trabalhar força, agilidade, coordenação motora, respiração e vários outros aspectos. Mas é preciso uma atenção especial nesse caso. Isso porque ele faz parte dos esportes de alta intensidade, ou seja, requer uma exigência corporal muito alta. O ideal é consultar um especialista antes de incluí-lo na sua lista.

Muay thai

É uma arte marcial tailandesa que ganhou muita popularidade no Brasil e vem conquistando cada vez mais adeptos nos últimos anos. Esse esporte, para definir o corpo, consegue aumentar drasticamente a queima de gordura. Inclusive, muitos atletas optam por praticá-lo em paralelo para auxiliar no emagrecimento. Além disso, trabalha, e muito, tanto os membros inferiores como os superiores, sendo um excelente aliado do condicionamento físico. Ao mesmo tempo que você está potencializando os seus resultados, estará aprendendo uma maneira de se defender. Mas aqui vale a mesma dica que para a modalidade anterior: consulte um especialista antes, pois o Muay thai também tem um alto nível de exigência.

Natação

É uma excelente alternativa para quem deseja potencializar resultados. Isso porque ela consegue movimentar os músculos da cabeça aos pés, de forma conjunta. Além disso, esse esporte também ajuda no controle da respiração e do sistema cardíaco. Um dos principais benefícios é o baixo impacto nas articulações, uma vez que ele é feito dentro da água. Inclusive isso pode ajudar e muito na recuperação muscular, evitando lesões.

Pilates

Consiste em observar o aluno e perceber quais são as suas necessidades e assim adaptar os exercícios para alcançar o resultado necessário sempre beneficiando ao máximo quem pratica. A atividade aumenta a resistência física e mental, potencializa a flexibilidade, corrige problemas posturais, melhora a concentração, tonifica a musculatura, facilita a coordenação motora, promove menor atrito nas articulações, alivia dores musculares, ajuda a melhorar a respiração e a flexibilidade, amplia a resistência muscular e expande a consciência corporal.

Ioga

Muito além de condicionamento físico e de estética corporal, a ioga proporciona benefícios de natureza emocional e espiritual. É fato que a sua prática melhora, significativamente, a disposição, o bem-estar, o humor e a concentração. Através da reeducação da respiração, o praticante tenderá a uma vida mais saudável, afastando diversos efeitos crônicos. De acordo com um estudo realizado pelo Institute for Technology Assessment (ITA) e pelo Benson-Henry Institute (BHI), do Hospital Geral de Massachusetts, filiado à universidade de Harvard, a ioga propõe que a pessoa entre em contato com a sua essência. Auxiliando também no controle da ansiedade, trata a síndrome do pânico, combate a depressão, ameniza problemas respiratórios, reduz a obesidade, diminui as dores musculares, promove o baixo colesterol e alivia o cansaço.

Patins / Roller

Parece brincadeira, mas não é. Algumas atividades físicas conhecidas pela diversão podem trazer benefícios também para o corpo. Andar de patins está com certeza entre elas. Para a professora de Educação Física Débora Carvalho, de Porto Alegre, a prática de um exercício deve mesmo ir além da obrigação ou da preocupação com o corpo. “É preciso ter prazer no que se está fazendo, algo que andar de patins já traz logo de início.

Trata-se de uma atividade buscada por muitas pessoas, mas só continuam aquelas que realmente se apaixonam, e isso é um diferencial que vai além dos benefícios que são gerados pela prática”, explica. A especialista afirma que essa atividade física pode ser comparada à corrida, uma vez que contribui para o fortalecimento dos músculos dos membros inferiores, abdome e glúteos. “Além disso, pode gerar uma queima de calorias que varia entre 500 e 800 gramas em apenas uma hora de diversão”, destaca. “Outra vantagem de andar de patins é o fato de que se trata de uma atividade física que gera menos impacto que exercícios como a corrida, por exemplo, mas traz benefícios parecidos e apresenta menos riscos de lesões”, ressalta Débora.

Se você é associado da Appai, pode praticar esses e outros esportes através do Convênio com a Gympass. Para mais informações, acesse o nosso site: www.appai.org.br

Lembramos que é fundamental consultar um especialista antes de começar a praticar alguma atividade física. O importante é fazer o que gosta e não ficar parado!


Por Antônia Lúcia, Jéssica Almeida e Richard Günter
Fontes: BNCC

Saiba tudo sobre a BNCC da Educação Física

* Cristiane Guedes é Mestre em Psicanálise, Saúde e Sociedade, possui especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional e em Dificuldade de Aprendizagem: Prevenção e Reeducação. Professora e coordenadora de pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional.

 


Deixar comentário

Seu email não será publicado