Cuidados com a pele no inverno


Não é só o verão que exige cuidados com a pele. A estação mais amena do ano também requer ter atenção especial. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, os cuidados com a pele no inverno são essenciais pois ela está mais sujeita ao ressecamento, devido à diminuição da transpiração corporal.

Além disso, alguns hábitos como banhos muito quentes, provocam a remoção da oleosidade natural, reduzindo o manto lipídico que retém a umidade da pele.

Por isso, preparamos algumas dicas para ajudar a garantir todo o cuidado de que sua pele precisa neste período.

 

Confira:

1. Não economize no hidratante! Como a estação pede uma hidratação mais profunda, o uso diário tanto no corpo quanto no rosto é indispensável.

2. Dê uma atenção especial às extremidades do corpo, como cotovelos e joelhos, já que eles costumam ficar mais ressecados. Mantenha-os hidratados para evitar o aspecto esbranquiçado.

3. Abuse do protetor labial para evitar rachaduras na boca. Os lábios costumam ser os primeiros a reclamar do frio.

4. Não deixe de usar filtro solar diariamente. Mesmo nos dias chuvosos, os raios UV estão presentes e podem causar danos acumulativos como envelhecimento precoce e manchas na pele.

5. Beba bastante líquido! É comum nesse período do ano as pessoas “esquecerem” de tomar água. Mas a ingestão de, pelo menos, 2 litros de água por dia é essencial em qualquer estação.

6. Apesar do inverno ser a estação mais fria do ano, evite banhos muito quentes e demorados. Como já mencionado, eles provocam uma remoção da oleosidade natural da pele facilitando o ressecamento.

7. Tente não usar buchas/esponjas no banho. Elas também contribuem para alterar a composição do hidratante natural que protege a pele.

8. Alimente-se bem, com um cardápio equilibrado e rico em verduras, legumes e frutas. A pele é o maior órgão do corpo, e nossa saúde é facilmente influenciada pelo que comemos.

Essas são só algumas dicas de cuidados que devemos ter com a pele no inverno. Para uma rotina mais detalhada, consulte seu dermatologista para que ele acompanhe todo o tratamento.


Por Luiza Morato
Fonte
: Sociedade Brasileira de Dermatologia

 


Deixar comentário

Seu email não será publicado